Palace Hotel - Caxambu

terça-feira, 28 de março de 2017

Prefeitura de Caxambu reduz diárias de servidores

REDUZIMOS em 35% os valores de diárias para todos os servidores públicos, secretários, prefeito e vice-prefeito. Estamos economizando dinheiro público para que possamos investir onde é prioridade! 






Radares começam a multar em rodovias que cortam o Sul de Minas

Radares começam a multar em rodovias que cortam o Sul de Minas


Oito novos radares começaram a multar nesta terça-feira (28) em sete rodovias estaduais que cortam o Sul de Minas. Com velocidades máximas que variam entre 40, 60 e 80 Km/h, os equipamentos estão em Conceição do Rio Verde, Três Corações, São Tomé das Letras, Cambuquira, Poços de Caldas, Brasópolis e Pouso Alegre. Mais 22 radares fixos também começaram a operar em outras regiões do estado.
Com velocidade máxima de 40 Km/h, há radares nos quilômetros 0,1 e 0,8 da MG-290, em Pouso Alegre. Com velocidade máxima de 80 Km/h, foi instalado um radar no Km 8,4 da LMG-968, em São Tomé das Letras.
O limite de 60 Km/h deve ser observados nos seguintes trechos: Km 326,4 da BR-267, em Conceição do Rio Verde; Km 48,2, da LMG-862, em Três Corações; Km 98,6 da MG-167, em Cambuquira; Km 24,6 da LMG-877, em Poços de Caldas; e Km 25,7 da MG-295, em Brasópolis.
Além dessas cidades, há radares em rodovias que passam por Campo Belo, Ijaci, Caxambu, Santana da Vargem, Varginha, Soledade de Minas, Poços de Caldas, Machado, São João da Mata, Silvianópolis, Espírito Santo do Dourado, Paraguaçu, Itanhandu, Passa Quatro, Cachoeira de Minas, Paraisópolis, Borda da Mata, Inconfidentes, Ouro Fino, Jacutinga, Piranguinho, Pedralva e Monte Sião.
As rodovias estaduais estavam com os radares desligados desde novembro de 2014, quando o processo licitatório para a contratação de nova empresa gestora foi questionado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG). A licitação só foi concluída no início de setembro de 2016 e a partir de outubro os equipamentos começaram a ser reinstalados em todo o Estado.

Fonte: O Melhor do Sul de Minas

HÁ VAGA PARA COZINHEIRA NO HOSPITAL SÃO LOURENÇO



HÁ VAGA PARA COZINHEIRA NO HOSPITAL
O Hospital São Lourenço oferece uma vaga para COZINHEIRA (com experiência), para atuar na cozinha do Serviço de Nutrição e Dietética (SND) da instituição.


Os currículos deverão ser:


- enviados através do e-mail curriculo@hospitalsaolourenco.com.br OU
- colocados no porta-currículos situado na entrada do Departamento Pessoal do Hospital (ao lado do Carnê).

Ajude a promover o Turismo Regional.



segunda-feira, 27 de março de 2017

Histórias Antigas, Velhas Histórias - Maria de Lourdes Lemos

Histórias Antigas, Velhas Histórias

Caxambu, como outras tantas cidades, tem histórias que merecem ser lembradas. Uma delas, é a polêmica sobre o vocábulo “Caxambu” que apresenta mais de uma versão e por isso gera discussão. Sou a favor da sua origem africana por se basear na História e nas pesquisas de época. Mas talvez a mais grave de todas as histórias caxambuenses seja imputar a Estácio da Silva a fundação da cidade.  Sobre esse fato desenvolvi um trabalho exposto em meu livro “Caxambu: de Água Santa a Patrimônio Estadual”,RJ,2007, pp.22/32.   
 Com o passar do tempo, a estância, em sua trajetória, vem pesquisando várias  perguntas curiosas a seu respeito. Dentre elas, a que questiona qual seria o hotel mais antigo da cidade? Para respondê-la é preciso conhecer bem os fatos e os protagonistas do início da formação da vila.

Cartão Postal de Caxambu Sem data. Vale notar que a Avenida Camilo Soares ainda não existia.
Use o Zoom para ampliar

        Entre os antigos cronistas que registraram a história das águas medicinais caxambuenses encontra-se o Cel.Fulgêncio de Castro, com seu livro de 1873 intitulado “Águas Medicinais de Caxambu”. Nele, há  referências aos hotéis da época, com destaque para o Hotel Nogueira de Sá de propriedade de José Divino Nogueira de Sá.  
         Esse foi o segundo hotel edificado na cidade e pertenceu a José Luis da Silva Prado; chamava-se Hotel Prado. José Luis vendeu-o a José Divino Nogueira de Sá. Após o ano de 1874, José Divino vendeu-o a seu gerente, João Carlos Vieira Ferraz, que trocou seu nome para “Hotel de Caxambu”.
         Como “Hotel de Caxambu” ele aparece no livro  de Félix Ferreira, de 1877, intitulado “Guia das Águas Minerais de Caxambu”, com  uma propaganda de página inteira sobre seus serviços.  Consta também no livro de J.Tinoco, repórter do Jornal do Commércio/RJ , em seu livro “Guia de Viagem às Águas Minerais de Caxambu”, 1881.
         Às vezes, na imprensa, o nome do hotel era grafado sem a preposição DE (como “Hotel Caxambu”) mas em seguida trazia a referência que seu proprietário era João Carlos Vieira Ferraz.
         O jornal “O Baependiano”, de julho de 1883, registrou  que o empresário João Carlos  Ferraz mudara o nome de seu hotel para “Hotel João Carlos”. Em 1884, Maximino  Serzedello escreveu o “Guia de Viagem para as Águas Minerais de Caxambu, Caldas, Lambari, Contendas e Cambuquira” . No Capítulo “Roteiro para Caxambu” ele indica o “Hotel João Carlos” como o melhor do local.
 Quando, em 1890, o Conselheiro Mayrink foi para Caxambu associou-se a  João Carlos  Ferraz e  comprou-lhe o hotel  mudando seu nome para “Hotel da Empresa”. Retornando para o Rio, em 1894,  ele se desfez daquele estabelecimento hoteleiro que, no correr dos anos seguintes,  foi sendo comprado por outros proprietários e recebendo novos nomes, entre eles o de “Hotel Universal” e de “Parc Hotel”. Esse último existiu até o final da década de 1930, quando foi demolido e nada mais foi  construído naquele  terreno até os dias de hoje, quando  o local está sendo ocupado  pelo Mercado Carrossel.
         O jornal “O Baependiano”, de final de agosto de 1884, noticiara  a inauguração do “Hotel Caxambu”, pertencente a Evaristo Nogueira de Sá. Ele é o atual Hotel Caxambu, existente até hoje no mesmo local de sua fundação. Em agosto próximo completará 133 anos de existência.
         Em 2011 fui consultada sobre a antiguidade dos hotéis da estância. Aos interessados no assunto, adianto que o Hotel Caxambu é o mais antigo da cidade e seus proprietários estavam cogitando comemorar seus 130 anos de existência naquele ano.
         Em meu entender, tal celebração deveria se dar somente em 2014.  
         Pelos fatos expostos, vê-se que não há razão para confundir ou  duvidar da existência dos dois hotéis: o “Hotel de Caxambu”, que teve suas raízes no Hotel Prado, antes de 1870, mudou de nome para “Hotel João Carlos”, em 1883. No ano seguinte, 1884, o “Hotel Caxambu” foi fundado.  Eles não co-existiram.                                                      
         Quando em 1962 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) editou a Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, meu pai, Floriano de Lemos, fez críticas à obra, imputando-lhe vários erros históricos na parte concernente à história de Caxambu.
         A origem de tais informações constava nas  publicações do 15º Anuário Eclesiástico da Diocese da Campanha, de 1953,  e na Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, Vol.XXIII, Minas Gerais, A-C, pp.430 e 431, em 1958.
         Em sua Crônica Científica, publicada na ocasião no jornal carioca Correio da Manhã, Lemos  comentou  sobre a confusão de dados   na publicação do IBGE.
         Floriano de Lemos foi médico, jornalista, membro emérito da Academia Nacional de Medicina, com um nome bem conceituado nos meios literário e científico. Declarava em suas oratórias que era um carioca com coração caxambuense. A cidade homenageou-o dando seu nome ao Gêiser no Parque das Águas.
         A publicação de sua  Crônica, naquela ocasião, suscitou resposta do Secretário Geral do Conselho Nacional de Estatística – IBGE,  agradecendo-lhe a valiosa contribuição que dera para aquele trabalho, com a possibilidade de uma correção no caso de reedição daquela obra.
         Foi-lhe feito, então, um convite para que expusesse numa Conferência as correções que deveriam ser feitas no caso de reedição.Ele assim o fez.  Tenho parte do rascunho escrito de seu  próprio punho para  essa Palestra, bem como algumas  anotações sobre quesitos que mereceriam correções. Elas abordavam a questão sobre Estácio da Silva , a análise de algumas fontes, as histórias  sobre  antigos hotéis que mudavam de nome causando confusão aos menos atualizados com os acontecimentos daquela urbe.
         A abertura da Conferência transcorreu com o seguinte teor.

Preciso, antes de mais nada,  justificar a minha presença neste lugar. Conversando, há dias com o General Rondon a respeito da Enciclopédia dos Municípios, classificando-a de obra monumental, não pude deixar de lamentar que a parte referente a Caxambu contivesse uns tantos senões, que poderiam ser corrigidos oportunamente.
O General sugeriu-me publicar as minhas notas na Crônica Científica que mantenho, vai para mais de meio século no Correio da Manhã; ou então uma Conferência ou Sessão no Conselho Nacional de Geografia e Estatística para constar de publicação no Boletim Informativo do Instituto. Estou eu indeciso sobre a providência a tomar, pois tive a honra de receber um ofício do Secretário-Geral do Conselho Nacional de Estatística, aguardando “minha valiosa contribuição para a nossa documentação municipal, a ser aproveitada no caso de reedição da Enciclopédia”.  
         Toda referência que estou tecendo é porque sou pesquisadora dos  trabalhos paterno: manuscritos, livros, seu acervo em geral. Passei a conhecer a história caxambuense de uma maneira bem diferente daquela contada em livros e artigos baseados em folhetins sobre a cidade.
Na Introdução do meu livro, “Fonte Floriano de Lemos”, 2001, comentei que o título não era uma alusão a uma fonte física, mas à Fonte do Saber, onde bebo os ensinamentos do meu pai, sorvendo aos goles os vários aspectos da história da cidade.
A minha  Fonte comporta, atualmente,  vários jorros. Cada um deles  apresentando  suas peculiaridades: o primeiro jorro, é o “Fontes e Encantos de Caxambu”, com sabor clínico do uso das águas. O segundo, é o “Parque das Águas”, que sabe a um turismo interno por suas alamedas. O terceiro, o do “Caxambu: de Água Santa a Patrimônio Estadual”, tem gosto de raízes históricas. O quarto, o das “Crônicas Publicadas”, com sabor de contos urbanos. O quinto, o das “Crônicas Caxambuenses,” com bastante gás novo. O sexto, o da “Cidade de São Thomé das Letras”, fortemente excêntrico chegado a quartzo. Quem sabe se com o tempo a Fonte Floriano de Lemos tornar-se-á o “Chafariz Floriano de Lemos”, com mais jorros em sua arquitetura?
 Assim como meu pai é uma referência para mim por sua experiência de vida, seus conhecimentos históricos, vivências passadas, da mesma maneira os prédios antigos e os velhos casarões, quando conservados, são uma Fonte do Saber para quem souber beber todas as informações que eles encerram: neles falam a história local, a sua época, os personagens que  passaram por suas salas e quartos, as alegrias e tristezas  que viveram, a arquitetura, o mobiliário, tudo contando  as vivências  do lugar.
Caxambu tem três pilares históricos: o Casarão da Família Guedes, da época do Arraial, o Hotel Caxambu, quando Freguesia, e o Palace Hotel, como Vila. O conteúdo cultural que eles encerram vale por uma biblioteca que  não corre o risco de ser deletada, mandada para a nuvem ou atacada por vírus. Se conservados, continuarão testemunhando e contando a vida da cidade, com histórias antigas, velhas histórias.

        

Rio, março de 2017

BR 265 - Polícia Militar apoia estudo técnico que ocorrerá no trevo do distrito industrial de Lavras - MG

Polícia Militar apoia estudo técnico que ocorrerá no trevo do distrito industrial de Lavras

Estudo de modificação do trevo do distrito industrial de Lavras, na BR 265, acontecerá nos dias 29 e 30 de março, com duração de 24 horas. Motoristas fiquem atentos.



A Polícia Militar, por meio da Polícia Militar Rodoviária de Lavras, estará mantendo a segurança dos usuários da BR 265, no Km 346, durante um estudo técnico que será realizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT).

Durante o acontecimento, que tem por objetivo proporcionar mais segurança para quem trafega pelo local, o trânsito fluirá como uma rotatória, sendo impedido o fluxo pelo meio do canteiro central.

A simulação ficará a cargo da empresa responsável pela conservação da rodovia e a Polícia Militar Rodoviária estará de prontidão no local, garantido a fluidez do tráfego e a segurança da população.


Polícia Militar de Minas Gerais: Movidos pelo orgulho de servir e proteger Minas Gerais.


6ª Cia PM Ind MAT

SEMEL - Atletas Caxambuenses - Varginha - MG



Realizada neste domingo,26/03,  em Varginha,  a Corrida em homenagem à mulher - uma prova de 15km, que contou com a participação de cerca de 150 atletas, em um percurso com subidas, descidas e longas retas. A corrida foi um grande sucesso de participação.


O atletismo Caxambuenses esteve presente com os atletas Laynara Santos e Leonardo Ângelo Meirelles.
 Nossa atleta Laynara que vai se firmando como grande destaque feminino do esporte em nossa cidade,  terminando a prova em 3º lugar na classificação geral,  com o tempo de 01h09m.
Leonardo terminou a prova no 37 lugar, com um tempo de 01h17m.


A SEMEL da os parabéns aos atletas Laynara, Ângelo e ao técnico Denílson pela brilhante participação.
A que mais provas venham, pois, o sucesso é garantido.



Texto: SEMEL
Informações; Denílson Martins




SEMEL 

domingo, 26 de março de 2017

RECEITA DE DOMINGO, APESAR DA CARNE QUE É FRACA.

by José Celestino Teixeira.
Primeiro esqueça da carne vermelha.
Do Frango que vai pra China, nem Pensar.
Do Porco lembre da cabeça triturada com ácido ascórbico.
Até com Vitamina "C" a carne é indigesta, a Carne é Fraca!
Friboi, não é, nem nunca foi "Free", só Ilusão.
Já é quase Tempo de Semana Santa que vem chegando mansa cheia de perdão e ressurreição.
Lembre do peixe, nunca esqueça do pescado.
Conheça as águas claras e límpidas do Rio Airuoca (trutas nas cabeceiras), do Baependi, com "mandi" e lambari.
Conheça o Dourado pulando em círculos em volta da canoa vagarosa e ágil no estreito do Jumirim , lá no Rio Verde.
Domingo Dia de Peixe pescado na vara de bambu, sem rede, sem armadilha, na habilidade e no capricho.
Panela de barro capixaba untada de azeite de oliva ( Oliveiras da
Serra da Mantiqueira), tomates caipira, cebola fresca, salsinha, alho de resma, limão capeta, urucum em pó, coentro, açafrão, salsa e cebolinha. Tudo colhido fresquinho no fundo do quintal, se não for no seu, no do vizinho. Uma base de batatas inglesas cortadas em círculos e sobrepostas de cebola roxa, o pescado (tubarana) com cabeça e tudo. A panela no fogo brando tampada. E a reação química é natural. O calor da panela é capaz de conservar por horas o peixe, o cheiro e sabor.
Antes, enquanto a panela atinge a temperatura ideal uma dose generosa (dupla) de Black & White, com quatro pedras de gelo de água mineral natural (Receita do amigo Toninho Pelucio, lá de Baependi, O Rei das Pedras)
Na vitrola, o Jobim (Antonio Carlos Brasileiro Jobim), o Tom cantando seu "Passarim" ao piano, pra nos Livrar de todos os males e tormentos!





Momentos: Jogos escolares 2017





A SEMEL parabeniza a todos participantes do JEMG/2017, fase municipal, onde os alunos e professores deram o melhor de si. Aqui deixamos os registros dos jogos, onde tivemos momentos de alegria e muita participação das torcidas, aos campeões boa sorte na próxima fase, aos perdedores é hora de treinar mais e estudar, pois a SEMEL tem muita coisa boa pra 2017. Agradecemos a todos que colaboraram para que evento, fosse feito com muita disciplina e segurança. A Policia Militar nosso muito obrigado pelo apoio sempre que foi solicitado, a equipe da secretaria de saúde nosso agradecimento e aos funcionários que nos deram suporte fica nosso muito obrigado. Agradecemos ao Prefeito Diogo Curi e aos Vereadores: Júlio da Corneta, Fábio Curi e Vinícius Hemetério e ao presidente da Câmara Municipal Mario Alves pela presença, "O esporte é uma vertente da Educação Física, é uma das ferramentas principais da aula. Contribui com a disciplina, com a criação de valores, com a socialização dos alunos e com o desempenho deles em outras áreas" "A criança pode começar a iniciação esportiva desde cedo, caso ela não se transforme em um atleta de alto nível, com certeza vai se tornar um bom cidadão, pela aquisição de valores que são aprendidos com o esporte"


sexta-feira, 24 de março de 2017

1ª Etapa do Circuito Sul Mineiro de Judô




Caxambu vai tremer...

Polícia Militar promove encontro de gestores ambientais em Lavras

Polícia Militar promove encontro de gestores ambientais em Lavras 





A Polícia Militar por meio da Sexta Companhia PM Independente de Meio Ambiente e Trânsito Rodoviário de Lavras (6ª Cia PM Ind MAT), realizou o primeiro encontro de gestores ambientais dos 44 municípios que compõem a Unidade. 

Abrindo o evento, foi inaugurado o sistema fotovoltaico da 6ª Cia PM Ind MAT, obra que deixa a Unidade na qualidade de geradora da própria energia elétrica, propiciando economia aos cofres públicos e se tornando uma Unidade ecologicamente correta ao usar o conceito de energia limpa. 

O encontro contou com palestras proferidas por profissionais altamente capacitados em suas áreas. O Coronel PM Idzel Mafra Fagundes (Diretor de Meio Ambiente e Trânsito da Polícia Militar) abordou o tema: Aspectos da atuação conjunta da Polícia Militar de Meio Ambiente e o Poder Público Municipal. 



Os Promotores de Justiça Dr Bergson Cardoso Guimarães (Coordenador das Promotorias de Meio Ambiente da Bacia do Rio Grande) e Dr Eduardo de Paula Machado abordaram o tema Conflitos socioambientais urbanos e rurais: alternativas de atuação institucional e conflitos urbanísticos no parcelamento de solo. 






 O Dr Pedro Henrique Magalhães Azevedo (Assessor do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais) abordou o tema contratos sustentáveis. Dr Pedro Henrique Magalhães recebendo homenagem após a paletras O evento fortaleceu o diálogo interinstitucional entre os atores estratégicos da comunidade sulmineira. Com a gestão participativa espera-se alcançar uma nova dinâmica de atuação interinstitucional, prevenindo a eclosão de delitos contra o meio ambiente. Polícia Militar de Minas Gerais: 241 anos. Movidos pelo orgulho de servir e proteger Minas Gerais



6ª Cia PM Ind MAT 

DEPUTADO ARANTES ALERTA PARA O VOLUME BAIXO DE ÁGUA NO LAGO DE FURNAS EM PERÍODO DE CHUVAS




“ALGUMA COISA ESTÁ ERRADA”, DIZ


O deputado Antônio Carlos Arantes (PSDB) constatou que o volume de água na região do Lago de Furnas está abaixo do normal, apesar de chover normalmente na Bacia do Rio Grande. Segundo o deputado, que conhece bem a área, o lago deveria estar cheio nesse período chuvoso, mas não é o que está acontecendo.
Ele considera o fato suspeito: “O lago está abaixando muito a cada dia. Eu acredito que estão abrindo as comportas da represa; estão soltando as águas do Rio Grande. Eu só gostaria de saber o motivo. Será que é para gerar mais energia? Acredito que não, porque a crise econômica reduziu o consumo. Além disso, para baixo de Furnas também tem chovido. Choveu em Itaipu e em várias bacias que alimentam o Rio Grande. Em nenhum dos lagos delas faltou água”.
O deputado Arantes alerta para o fato de que alguma coisa está errada: “Será que está havendo um boicote político, forçando um novo racionamento de energia este ano? Eu acho que é bem possível. Suspeito que querem criar um problema político para o presidente Temer. Precisamos investigar. Porque, no meu entendimento, alguma coisa está errada”, afirmou.
O deputado Arantes chama a atenção para outros prejuízos que a ação está trazendo para a região: “Podemos ver metros e metros de barrancos nas margens. Isto é um problema. Primeiro, porque deixa o lago mais feito, afetando o turismo que se beneficia muito nessa época de cheia, e, segundo, atrapalha também os produtores rurais que enfrentam mais dificuldades para irrigar suas propriedades. Isso está influindo negativamente na economia na região”.
Arantes também alerta para risco de faltar água no segundo semestre: “Se eles estão soltando agora, vai faltar lá para o mês de agosto, setembro ou outubro. Aí sim, vamos ter problemas para gerar energia”.
Por fim, o deputado Arantes anunciou que encaminhou ofício à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e a Furnas Centrais Elétricas denunciando o fato e solicitando explicações.




O LAGO DE FURNAS



O lago de Furnas foi construído em 1963 e abrange 34 municípios. Um espelho d`água de aproximadamente 1.500 quilômetros quadrados. É a maior extensão de água no Estado. É conhecido como o “Mar de Minas” por ser quatro vezes maior que a Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro.




Texto: JC Junot

CONOTEL 2017 tem foco no planejamento e no crescimento sustentável

CONOTEL 2017 tem foco no planejamento e no crescimento sustentável


A 59ª edição do Congresso Nacional de Hotéis – CONOTEL 2017 acontece entre os dias 17 e 19 de maio, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, e abordará o tema: “Brasil Rumo a 2020, Crescimento Sustentável da Hotelaria”



O congresso, realizado pela ABIH Nacional, mais antiga entidade do trade turístico, com 80 anos de existência, contará com a presença de líderes do setor que analisarão o desenvolvimento e as formas de investir no crescimento sustentável, planejando e pensando o futuro. Para o presidente da ABIH Nacional, Jatahy Fonseca Júnior, num momento de crise, com altos tributos e baixa ocupação, é preciso olhar para frente e se planejar: “Olhando para frente, constatamos que a hotelaria brasileira já tem uma estrutura montada e preparada para os hóspedes mais exigentes, capaz de atrair investimentos, clientes e obter lucratividade”, comentou.

 A programação foi pensada para com o objetivo de olhar para o futuro, buscando um crescimento sólido e sustentável: “O tema escolhido para essa edição vai debater de que forma o Brasil ainda pode aproveitar o legado dos grandes eventos esportivos e como enfrentaremos os desafios surgidos a partir da crise que se estabeleceu nos pais.

As inscrições para o evento podem ser feitas no site (www.conotel2017.com.br). Associados das ABIHS estaduais tem direito a duas inscrições gratuitas. 

quinta-feira, 23 de março de 2017

Prefeitura e IEF negociam Termo de Cooperação Técnica

Prefeitura e IEF iniciam negociações para Termo de Cooperação Técnica em prol da restauração florestal da Micro Bacia do Ribeirão Bengo.



Essa iniciativa envolverá ações conjuntas para a produção de mudas nativas, educação ambiental, Turismo de estudos e intercâmbio.

EPTV Sul de Minas - "Proposta de Privatização das Águas Minerais"

                                                                                                                 Imagens EPTV

                                                                                                              Imagens EPTV

Reportagem da EPTV Sul de Minas, referente a "Proposta de Privatização das Águas Minerais".


Entrevista com o Prefeito de Caxambu a partir de 4:13'.


Compartilhado por:

quarta-feira, 22 de março de 2017

Reconstrução gradual



A Secretaria de Obras iniciou ontem a restauração da calçada e mureta do Canal do Rio Bengo. Aos poucos Caxambu vai sendo reconstruída