Palace Hotel - Caxambu

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

BRASIL, PAÍS DO DESENCANTO
by José Celestino Teixeira

O que temos assistido, hoje, frente à tela da TV, através dos telejornais é o desmantelamento de uma Nação.


O País se desmorona a cada instante, a cada minuto, a cada segundo.
Nada funciona, senão as artimanhas e armadilhas para enjaular os consumidores, os eleitores e cidadãos, em especial as pessoas de bem.
Políticos em sua maioria se revelam crápulas, verdadeiros gangasters de terno, colarinho branco e gravata: Al Capone & John Dillinger.
Nem a Justiça em alguns segmentos dignifica o País.
A hora é esta: Dos aproveitadores, dos sabotadores, dos ladrões, dos corruptos, dos assassinos sanguinários que matam e assaltam em praça pública.
O cidadão está acuado tenta se esconder entre carros abraçado ao filho,ainda bebê, para não serem fuzilados.
E a policia no Rio e São Paulo, que deveria proteger o cidadão mata sem dó, nem piedade.
Confia na Impunidade!
Semana passada, um menino de, apenas, Dez anos de idade foi alvejado e morto por um tiro de fuzil no Morro do Alemão, no Rio de Janeiro.
Não foi bala perdida foi um tiro fulminante que partiu da arma de combate da PM Carioca.
Houve absolvição sumaria do autor do homicídio, sob a alegação acatada de pronto pela justiça de que o garoto se colocou na cena do crime em meio ao confronto de polícia e traficantes.
Logo, foi erro de execução do policial que praticou o evento em Legítima Defesa.
Legítima Defesa?
Erro de Execução?
Por acaso o garoto agrediu o policial?
E o Erro de Execução?
Todo policial não deve ser adestrado, treinado e submetido a testes de habilidade com a arma que manuseia?
Então, o policial no mínimo foi imperito, negligente e inconsequente.
Não havendo crime, neste caso há culpa claríssima.
“A Anistia Internacional classificou hoje (3/11/2015), como uma aberração o resultado do inquérito policial sobre a morte do menino Eduardo de Jesus, de 10 anos, ocorrida no dia 2 de abril de 2015, atingido por um tiro de fuzil, na porta de casa, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. O tiro foi disparado por um policial militar lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade. Ninguém foi indiciado no inquérito policial.”
Em geral, nenhum réu, ninguém cumpre pena plena, a progressão que coloca o bandido de volta às ruas é um prêmio e um incentivo ao crime ao crime.
Retrato fiel da impunidade que campeia por todo País.
Aparelho celular é o que mais tem dentro dos presídios e, na carceragem feminina comemora-se a fundação do PCC distribuindo maconha e cocaína cheirada numa bandeja de inox, com organização do evento transmitida através de alto-falantes do próprio presídio.
E o que dizer de Pedrinhas, lá no Maranhão?
Quem manda lá?
Polícia ou bandido?
E as celas especiais com toda mordomia de TV de Led, jogos eletrônicos, telefone, churrasqueira e baile funk?
Lembra da Prefeita Ostentação, aquela do Maranhão que foi presa numa cela do Corpo de Bombeiros, cujas acomodações faz inveja aos melhores hotéis?
Tudo isto sem falar nas explosões de Caixas Eletrônicos com uso de dinamites.
Crime que se tornou vulgar tanto nas capitais, quanto na mais longínqua cidade do interior nordestino.
Em Minas, moradores de Alpinópolis, na Região Sul de Minas Gerais, viveram momentos de terror na madrugada deste sábado (31/10/2015). Criminosos armados invadiram um banco no Centro da cidade e explodiram três caixas eletrônicos. Eles fugiram levando uma quantia em dinheiro, ainda não informada. Segundo a Polícia Militar (PM), com o barulho da explosão, uma menina de 8 anos, que morava próximo da agência, teve um mal súbito e morreu.
E, em Unaí, aqui em Minas Gerais que os assassinos do Fiscal do Ministério do Trabalho foram condenados entre 80 e 90 anos de prisão e, estão todos soltos aguardando novo julgamento em Liberdade?
Sem falar no Eduardo Cunha, Presidente da Câmara Federal que amealhou dinheiro via escândalo da Petrobrás e agora diz que exportou carne enlatada para a África, além de pagar um empréstimo mais de Um Milhão de Reais, ao ex-deputado Fernando Diniz, do PMDB, que já está Morto e, não pode testemunhar a veracidade dos fatos.
Contudo, o filho de Fernando Diniz negou em depoimento à polícia federal que tenha depositado qualquer quantia na conta de Cunha no exterior, além de ignorar o empréstimo do pai ao Deputado mentiroso.
Vale Tudo!
Só não vale ser honesto e cumpridor de deveres.
Neste País, onde Impera a Mentira, o Crime Compensa!
Vale mais ser desonesto!
Diante disso é melhor, muito melhor desligar a TV e voltar ao campo para ouvir o Canto de uma Sabiá.
Isto se a bandidagem permitir, já que os bandidos invadiram campo e cidade.
Não há mais sossego neste País, embora muitos insistam que:
Deus é Brasileiro!