Palace Hotel - Caxambu

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

AFINAL, DE QUEM SÃO AS NOSSAS ÁGUAS MINERAIS?

AFINAL, DE QUEM SÃO AS NOSSAS ÁGUAS MINERAIS?
(Da própria indagação subentende-se que as Águas Minerais são Nossas!)

by José Celestino Teixeira.

Iniciamos, hoje, uma Série de Publicações, em que vamos desnudar todo o complexo emaranhado de fatos que sempre cercaram a verdadeira História da Exploração de Nossas Águas Minerais.
Aqui você saberá TIM, TIM por TIM, TIM, a verdadeira Historia sobre esta riqueza incomensurável que sempre esteve em mãos alheias de seu verdadeiro Dono: A População Caxambuense!
No Final dos Anos 70, depois de encerrarmos nossas atividades no Jornal “A Voz Do Sul” empreendemos uma série de pesquisas e estudos no intuito de obter com maior precisão a verdadeira História das Águas Minerais em Caxambu.
Evidente, que nenhum pesquisador pode arvorar-se a ser dono de fatos Históricos.
Estes não pertencem a ninguém, senão a própria História.
Neste contexto e no intuito de fornecer melhor compreensão da sucessão dos direitos de exploração das águas minerais de Caxambu e outras no Estado de Minas nós nos deparamos com um rosário de fatos que achamos conveniente compartilhar com os caxambuenses. Mormente com aqueles que, hoje, no alvorecer do Século XXI, ainda se interessam pelo assunto: Água Mineral.
Suponho que estes Aspectos Históricos - Estudos e Decisões sobre a HIDROMINAS (ÁGUAS MINERAIS DE MINAS GERAIS S/A) criada pelo Decreto Estadual nº 6.090, de 1960, como uma Sociedade de Economia Mista e, privatizada em 1981 venham fornecer luz e compreensão aos fatos que se sucederam desde a primeira Concessão para Exploração de nossas Águas Minerais .
Por outro lado é de se observar como curioso que, quando ocorre a extinção da HIDROMINAS (1981), a mesma, embora extinta viesse aparecer como acionista da Superágua. Empresa que passou a explorar as Águas de Caxambu, Araxá, Lambari e Cambuquira.
A Superágua, do grupo Supergasbrás, explorou as marcas mineiras de água mineral por mais de duas décadas, até 2005. Mas reduziu drasticamente a produção, alegando baixa rentabilidade. A concessão acabou suspensa em 2005.
Ainda, nos Anos 80, um ano antes, portanto, da sua extinção obtivemos junto a própria Hidrominas um Relatório minucioso sobre os principais aspectos históricos e estudos relacionados com a atividade de exploração das Águas Minerais no Estado.
Do relatório que nos foi franqueado anotamos:
1875 – Em 1875, o Governo da Província de Minas concede ao “Conde Lage”, o direito de explorar o Parque das Águas de Caxambu;
1883 – Neste ano a mesma concessão é transferida para “Saturnino Salles Veiga” ;
1913/1973 - Em 1913, a Empresa de Águas de Caxambu controlada pelo Empresário Cylio Gama Cruz e tendo como Diretor Otávio Guimarães engarrafa, distribui e comercializa, a principal água mineral do Estado de Minas: “ A Água Mineral de Caxambu, a Soberana das Águas.”
1960 – A HIDROMINAS criada em 1960 e implantada em 1961 iniciou as suas atividades de engarrafamento da Água Mineral de Araxá em 1964. Sua distribuição e comercialização, no entanto, se fez através de concessão a Grupos Privados;
1970 – Em 10 de Junho de 1970, a Hidrominas firma contrato com a empresa “Brasília, Águas Minerais, Indústria e Comércio Ltda – BAMIC, que passa a ser concessionária da distribuição e comercialização da água mineral de Araxá , em vasilhame de 20 litros;
1971 – Em Outubro de 1971 foi elaborado um diagnóstico pelo engenheiro Cid Barbosa da Silva, Diretor da Cia e Cervejaria Brahma de Minas Gerais S/A, como uma colaboração da Presidência da Cia. Cervejaria Brahma, para a presidência da Hidrominas. Referido diagnóstico se referia ao Setor de Águas Minerais da Hidrominas;
1972 – Em Julho de 1972, a Hidrominas firma um Contrato com a Empresa de Águas Minerais S/A controlada pelo Sr. Antônio Leandro de Albuquerque, por 05 (Cinco) anos, que passa a ser concessionária para distribuição e comercialização das águas minerais engarrafadas (1/2 litro e 1 Litro), em Cambuquira, Lambary e Araxá. Posteriormente, por força do próprio contrato, a partir de 1973, passou a distribuir e comercializar a água mineral de Caxambu;
1974 – Em 20 de Novembro de 1974, o Banco Real de investimentos interessou-se pela exploração da águas minerais da Hidrominas, formulando a proposta em Carta ao então Presidente Jayme de Andrade Peconick. Os entendimentos se interrompem e afinal não chegam a se concluir;
1975 – Em 09 de Setembro de 1975, a Hidrominas firma uma alteração contratual com a Empresa de Águas Minerais S.A estabelecendo em seu favor a cláusula “Del credere” e prorrogando o prazo de vencimento do contrato para 31 de dezembro de 1980;
1976 – Em 30 de Janeiro de 1976, volta o Banco Real de Investimentos a se interessar pelo negócio de exploração das águas minerais da Hidrominas,através de Carta assinada pelo Diretor Humberto Mourão de Carvalho;
1979 – Em 30 de Abril de 1979 é eleita uma nova Diretoria para a Hidrominas, assim formada: Presidente - Orlando Vaz Filho; Diretor-Financeiro: Benedicto Felipe da Silva e, Nelson José Lombardi, em recondução: Diretor Administrativo. Todos indicados, pelo então Governador Francelino Pereira dos Santos e referendados pelo Secretário José Romualdo Cançado Bahia;
1979 – No mesmo ano, em 12 de Julho, a Diretoria da Hidrominas por proposta de seu Presidente aprova uma “Plano de Expansão” da produção de sua água mineral;
1979 – Ainda, em agosto do mesmo ano de 79, por entendimentos havidos entre os Secretários José Romualdo Cançado Bahia, Paulo Haddad, Márcio Garcia e, o Presidente Orlando Vaz Filho estabelece-se uma dotação orçamentária para a Hidrominas, no ano de 1980, de Cr$ 30 Milhões (de Cruzeiros) a serem aplicados no “plano de Expansão” de suas águas minerais;
1979 – Em setembro do mesmo ano, o Presidente Orlando Vaz Filho segue para Europa, em viagem de estudos, pesquisas e observações sobre os complexos empresariais de água mineral. É convidado pelo Grupo “Perrier” e visita as suas instalações de Vergéze, na região de Montepellier, onde se situa a maior “fábrica(?) de produção de água mineral do Mundo. É recebido, ainda, pela alta direção da empresa em Paris, inclusive pelo seu P.D.G (Président Directeur Général). Convidado pelo Grupo “San Pelegrino”, por gestões do Consul da Itália em Belo Horizonte, “Sebastiano Salvatori” conhece e visita as instalações daquela firma, nas proximidades de Milano, segundo maior complexode água mineral do Mundo. Estabelece contatos com a alta direção da “San Pelegrino”, especialmente com o seu acionista majoritário. O Grupo “San Pelegrino” introduz diversos sabores (limão, laranja, uva, etc), em sua água mineral, tendo demonstrado interesse de se associar no Brasil, à Hidrominas. Mencionadas visitas foram feitas em companhia do jornalista Wilson Frade (Estado de Minas- Diários Associados e Diário da Tarde ).
Para melhor compreensão, a matéria em questão comportará outros Capítulos na narrativa dos fatos que envolveram ao longo da história, a Exploração das Águas Minerais em Minas, mormente as Águas de Caxambu e outras da Região do Circuito das Águas indo até Araxá, no Triangulo Mineiro.
Vamos observar naquela época, em pleno Regime Militar, que um partido hegemônico na Política Nacional, a ARENA, já convivia com a configuração de interesses privados mesclados aos interesses públicos.
É o que vamos ler nos próximos Capítulos dessa História!