Palace Hotel - Caxambu

domingo, 22 de dezembro de 2013

"SONHO DE NATAL"
Por José Celestino Teixeira


Ontem eu tive um sonho.
Um sonho muito estranho.
Sonhei com Papai Noel.

Não desses que a gente tá acostumado a ver no Shopping, no Supermercado ou nas Casas Bahia.
Era um Papai Noel Diferente.
Muito diferente do Papai Noel de Mercado.

Era Negro.
Muito Preto.

O Saco estava vazio, como vazio é o presente de quem nunca teve Futuro.


Também, não tinha barbas brancas.
Eram barbas por fazer .
Barbas de carapinha.

Tinha Olhos vermelhos baseados num cigarro de papel.
As botas não eram tão longas como aquelas Botas de andar em Neve.
Eram botas surradas de cano curto .
Tinham na Sola marcas antigas de botinas Zebu.

Num lance deu pra ver que as meias estavam furadas no calcanhar.
Não no Calcanhar de Aquiles.
Mas no calcanhar de quem, já não tem dinheiro para gastar.
Era na verdade um papai Noel de R$ 1,99 pra gastar.

A Ceia de Natal, não foi aquela em um Hotel de Luxo.
Foi num Restaurante de comida a quilo.
Não tinha cerejas, nem bacalhau.
O Peru era mole, para um saco vazio.

Na Missa da meia-noite, o Galo nem apareceu.
Morreu de véspera depenado na Quarta , em Marrocos.
Não sobrou nenhuma Esperança.

Meu Papai Noel de Natal era Sonho.
Sonho de quem não tinha mais Sonhos, ainda pra Sonhar.

Foi tudo uma mera Ilusão.
Ilusão que já não engana mais nenhum pobre Coração.

Foi vertigem.
Pura vertigem

Meu sonho de Véspera de Natal.
Foi meu Mal.

Mesmo assim foi preciso Sonhar.
Agradecer o sonho que tive, antes de acreditar em Natal.

Obrigado meu Deus, por não ter perdido a Razão.
Quando, não mais eu acreditava nas imagens vistas na Televisão.

Se morreu o sonho.
Acordou a Razão.

Obrigado meu Deus.
Meu Pai, nunca foi um Pai de papel, como sempre foi todo Papai Noel.


Compartilhado por